Rondônia, segunda-feira, 10 de dezembro de 2018
 
 

Com volta ou alta de impostos, renda em 2015 ficará menor | Imagemnews.com.br Agência Imagemnews - Jornal Eletrônico, Notícias de Rondônia e Região Com volta ou alta de impostos, renda em 2015 ficará menor
2/12/2014 - 18:41 - ( Economia )

Para economizar o quanto precisa para pagamento dos juros da dívida pública – ou seja, cumprir a meta fiscal – em 2015, diante de um cenário de desempenho fraco da economia, o governo tem a opção de cortar gastos – entre eles, reduzir investimentos em infraestrutura – ou aumentar a carga tributária. Já se fala na volta da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide, que incide sobre combustíveis), na volta da CPMF, o “imposto do cheque”, e em aumento de impostos que estão valendo. E tudo isso terá impactos no dia a dia dos brasileiros, que devem enfrentar impostos mais altos, juros mais altos e a inflação sob controle, mas ainda alta – ou seja, o salário vai ter menos poder de compra.

“O que o governo sinalizou até o momento é que não vai reduzir o custeio da máquina pública. Logo, a alternativa é aumentar tributos e acabar com as isenções fiscais. Com isso, o poder de compra do brasileiro é reduzida”, analisa o coordenador do curso de economia do Ibmec/MG, Márcio Salvato.

Salvato explica que o que está acontecendo com o país é comparável com o que ocorre com uma pessoa que está endividada. “Se um consumidor está tendo dificuldades de pagar a dívida, o seu perfil de crédito piorou. Dessa forma, ele terá dificuldades de conseguir um outro financiamento ou, se conseguir, os juros serão mais altos. Afinal, ele tem menos credibilidade no mercado”, diz.

Para 2014, a meta fiscal estabelecida na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) era de R$ 116 bilhões, mas o governo apostava em cerca de R$ 80,8 bilhões.

Taxa de juros mais elevadas desestimula o consumo e o crescimento da economia. “Os recursos ficam mais caros. Logo, isso desestimula os investimentos produtivos”, observa. Com mais tributos e juros altos, que irão consumir parte da renda dos brasileiros, especialistas recomendam evitar contrair dívidas.

O coordenador do curso de ciências econômicas da Newton Paiva, Leonardo Bastos, afirma que a saída é cortar gastos ou aumentar impostos. Já o professor de economia brasileira da Fumec Fabrício Oliveira Cruz afirma que é possível a volta da Cide.

Congresso
Previsão. A votação do Projeto de Lei do Governo (PLN) 36/14, que altera a meta fiscal para 2014, retirando a exigência de superávit primário nas contas públicas, deve acontecer hoje.

Balança deve ter 1º déficit desde 2000 BRASÍLIA. Faltando um mês para o fim do ano, o governo reconheceu pela primeira vez que as importações devem superar as exportações do país em 2014. Caso a previsão se concretize, será o primeiro déficit comercial brasileiro anual desde 2000. O resultado negativo de novembro, de US$ 2,4 bilhões, forçou a revisão da expectativa. O déficit mensal foi o maior desde pelo menos 1994, ano do início da série do Ministério do Desenvolvimento (Mdic). O Mdic está trabalhando agora com déficit comercial para 2014.

Juro sobe mais? Quando é a decisão? O Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne nesta terça e nesta quarta Qual a tendência? Analistas acreditam que o ajuste na taxa básica de juros, Selic, deve continuar. A Selic está em 11,25% Quanto deve subir amanhã? 0,25 ou 0,50 ponto percentual Quais as razões? O Banco Central afirmou que não será complacente com a inflação – subir o juro é uma forma de freá-la. Os sinais dados pela nova equipe econômica, de que fará ajustes na política econômica, corroboram.

Fonte : IG    Autor : IG

 
 
Nome :
E-mail :
Comentários :

 

Digite o código ao lado :
Code Image - Please contact webmaster if you have problems seeing this image code Mostrar outro código

 

 
Existem ( 0 ) Comentário(s)

 
 
Nome :

E-mail* :

Cadastrar Remover


Nosso Telefone : (69) 3229-0355 / (69) 8402-4833 E-mail : [email protected]
Endereço: R. Joaquim Nabuco, 2507 sala 16 Bairro: centro Cidade : Porto Velho - Rondônia