Home Noticias Tia celebra prisão de sobrinho acusado de matar mãe: “Sua hora chegou”

Tia celebra prisão de sobrinho acusado de matar mãe: “Sua hora chegou”

0
0

São Paulo — A irmã de Márcia Lanzane, de 44, que teria sido morta em dezembro de 2020 pelo próprio filho, publicou nas redes sociais um desabafo após a prisão do sobrinho nessa segunda-feira (8/7).  “Sua hora chegou desgraçado, falei que íamos te pegar”, escreveu Mariusa de Quadra sobre o sobrinho.

Bruno Eustáquio Vieira, de 23 anos, acusado de matar a própria mãe, foi preso Polícia Militar de Minas Gerais em Belo Horizonte.

 

Ele foi flagrado por câmeras de segurança da casa onde morava com a mãe no Guarujá, em São Paulo. As imagens mostram uma luta corporal entre os dois. Na sequência, os dois caem no chão e Bruno esgana a mãe. As imagens ainda mostram o filho verificando os batimentos cardíacos da mulher e logo depois volta para sala para assistir à televisão.

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decretou a prisão de Bruno por homicídio doloso (quando há intenção de matar) em junho de 2021 e, desde então, o homem estava foragido.

Márcia morreu em 21 de dezembro, dia do aniversário da irmã, que, depois da prisão do sobrinho, escreveu:  “O presente que você me deu no dia do meu aniversário estou te devolvendo hoje como presente adiantado”.

Buscava a herança

Segundo denúncia do Ministério Público, Bruno teria matado a própria mãe por interesse na herança que seria deixada por ela.

Ao longo da investigação, testemunhas disseram que o jovem começou a sair com amigos de alto poder aquisitivo e a frequentar festas e restaurantes caros.

Bruno e a mãe brigavam constantemente pelo fato de Márcia não conseguir arcar com os gastos do filho.

“Insatisfeito em não ver seus anseios materiais atendidos, o denunciado decidiu matar a vítima com o objetivo de ter para si todo o patrimônio da genitora em herança, além da obtenção de valores de eventuais seguros”, apontou o MP, após investigação da Polícia Civil.

Entre outros pedidos, Bruno falava para a mãe vender ou alugar a casa por ter vergonha do bairro que morava.

Testemunhos diferentes

Na primeira versão dada à polícia, Bruno disse que a mãe tinha sofrido um acidente e que havia encontrado ela morta em seu quarto, diferentemente do que mostraram as imagens de monitoramento – o vídeo foi encontrado pelas autoridades no forno do fogão da casa.

Em um segundo depoimento, Bruno afirmou que a morte foi acidental. Que ele teria empurrado a mãe durante uma discussão e que ela teria caído e batido a cabeça. Contudo, o laudo da perícia apontou morte por asfixia mecânica.

As imagens de monitoramento mostram que após sufocar e socar a própria mãe, Bruno foi assistir à televisão.

“De todo o apurado, o bárbaro crime praticado se desenvolveu de forma manifestamente premeditada, tendo o denunciado demonstrado extrema frieza ao ceifar a vida de sua mãe, passar a noite na casa com o cadáver ao solo e promover verdadeiro teatro para comunicar a morte”, apontou o Ministério Público.

Defesa de acusado nega

A defesa de Bruno nega as acusações feitas pelo MPSP. O advogado do suspeito, Anderson Real, afirma que a hipótese apresentada de que ele queria conseguir o valor do seguro não foi comprovada.

“Não há nenhum documento nesse sentido no processo. O Bruno nega veementemente essa hipótese. O único bem que a mãe possuía era a casa e um carro”, alega. Ele ainda afirma que tentará revogar o pedido de prisão e que, caso não consiga, Bruno pensa em se entregar à polícia.

window._taboola = window._taboola || [];
_taboola.push({
mode: “rec-reel-2n5-a”,
container: “taboola-mid-article-reco-reel”,
placement: “Mid Article Reco Reel”,
target_type: “mix”
});

Fonte: Oficial